Programa de Investimentos em Logística

Visão Geral

O Programa de Investimentos em Logística 2 (PIL), anunciado no dia 09 de junho pelo Governo Federal, foi a temática central de um encontro realizado pelo GRI Club Infra no dia 18 de junho. Novas concessões, financiabilidade, garantias, licenciamento ambiental, desapropriações, mercado de capitais e investimento internacional estiveram entre os tópicos abordados pelos top leaders do setor.

Mais de 25 membros e convidados especiais se juntaram ao encontro, a exemplo de Carlos Martins (MDCPar), Cassio Viana (Caixa), Guilherme Perondi (Allianz AGCS), Hamilton Amadeo (AEGEA), João Martins (Andrade Gutierrez), Leonardo Vianna (CCR), Marcelo Michalua (RB Capital), Marcos Maximo (BRVias), Marcos Rocha (BZ Partners), Maurício Pereira (Funcef), Otavio Silveira (CAB Ambiental), Petrônio Braz (Queiroz Galvão), Roberto Deutsch (Camargo Corrêa), Shogo Takeda (Mitsubishi Corp), entre outros.

O debate evidenciou que os executivos receberam o pacote de novas concessões com ressalvas, pois consideram que ainda são necessários alguns ajustes e regras mais claras. Mesmo assim, percebe-se entre eles confiança de que o governo está disposto a tirar do papel muitos projetos. Um dos pontos que têm gerado mais otimismo no mercado é a sinalização de renovações de concessões de ativos, algumas envolvendo projetos greenfield.

Há consenso de que as concessões de rodovias e aeroportos são as mais imediatas e atrativas em relação ao interesse dos empresários. Uma saída apontada durante a reunião para ajudar a viabilizar mais projetos rodoviários é o modelo de PPPs.

Já a parte do programa voltada ao segmento ferroviário demanda adaptações e definições mais detalhadas para atrair interesse e dar maior segurança aos investidores. Há entendimento de que players como os operadores independentes são uma realidade e faz-se necessária uma atuação mais forte da agência reguladora para equilibrar o setor.

Os participantes do GRI debateram questões relacionadas a financiabilidade e estruturação de alternativas de funding via mercado de capitais para projetos. Um mecanismo ressaltado foram os fundos mezaninos, que, além de financiar parcela de equity nos projetos por meio de dívida, podem ser ainda convertidos em participação no projeto de infraestrutura se existir opção de conversibilidade.

Uma alternativa necessária para o setor é o mercado de capitais. As debêntures incentivadas de infraestrutura podem se tornar uma opção de investimento competitiva em relação a títulos soberanos, por exemplo. Além disso, para projetos greenfield ainda há questões a serem definidas em relação à garantias.

Por fim, o debate pôs em destaque a importância que o BNDES e a ABGF terão na implementação do PIL, atuando como garantidores de riscos não-seguráveis.

Pedro Nicolau

Pedro Nicolau

Global Head of Infrastructure & Portfolio Director for India

+55 (19) 3203-0645

[email protected]
Pedro Nicolau
+55 (19) 3203-0645
Global Head of Infrastructure & Portfolio Director for India
GRI Club
Sobre:

Pedro Nicolau é head global de Infraestrutura do GRI Club, que reúne os principais players desse setor e também do imobiliário em mais de 20 países. Comanda toda a plataforma de conferências e atividades exclusivas a membros atuantes nos segmentos de infraestrutura em todo o mundo. É também gestor da divisão do clube voltada ao ramo imobiliário na Índia.  

Profissional multicultural, tem uma extensa rede de relacionamentos globais e uma ampla experiência nas indústrias de infraestrutura de transportes, mobilidade, saneamento e eventos. É graduado em Relações Internacionais pela Unesp.

Monday to Friday - 8:30 a.m. to 6:00 p.m.
Send message
X
Privacy policy and how we use cookies
We use cookies to give you the best experience on our website.
By continuing we'll assume you're on board with our privacy police
Accept and hide this message